. Mercados flexíveis são solos mais férteis para a austeridade - Massa Monetária
 
 
Mercados flexíveis são solos mais férteis para a austeridade
26 Abr 2012 11:26
Colocado por: Pedro Romano
Comentar este Post
Imprimir | Enviar | Tamanho

facebook share

Prossegue no Vox o debate em torno de política orçamental e austeridade. Em Fiscal Consolidation in reformed vs unreformed labour markets, Alessandro Turrini argumenta que o impacto da austeridade no emprego é, de forma contra-intuitiva, maior em países com mercados laborais fechados. O economista da Comissão Europeia conclui que a consolidação orçamental tem assim melhores possibildiades de sucesso se for simultaneamente acompanhada de liberalização do mercado de trabalho. Além disso, também estamos a ler:

 

1. Spain's credit crunch (Bloomberg). Com a crise em Espanha a ganhar dimensão a cada dia que passa, a Europa já ponderá facilitar o acesso directo dos bancos às facilidades do Mecanismo Europeu de Estabilidade.

 

2. Bernanke signals further easy unlikely (Bloomberg). A Fed parece satisfeita com a melhoria da economia. Mais estímulos parecem cada vez mais uma carta fora do baralho.

 

3. Bernanke on what the Fed could do (New York Times). Bernanke explica por que é que não a Fed não estimula mais a economia, apesar de a inflação estar controlada e o mercado laboral de rastos. Elementos de política monetária, pelo actual presidente da Fed.

 

4. The swedish model (Robert Samuelson, Washington Post).

 

5. The unbearable slowness of internal devaluation (Paul Krugman, The Conscience of a Liberal). Os custos laborais não estão a seguir a trajectória prevista pelas autoridades europeias, defende o Nobel de 2008.

 

6. American austerity (Paul Krugman, The Conscience of a Liberal). Obama e Bush - quem aumentou mais o emprego público? A resposta pode ser surpreendente.  

 

7. A time to spend (Pontus Rendhal, Vox). Neste artigo, Redhal expõe as condições necessárias para que a política orçamental tenha verdadeiro impacto na economia e explica por que é que este é um desses momentos.


 
COMENTÁRIOS | Inserir Comentário | Comentar este Post

 

 
  • Frente a Frente

     

    Deve Portugal reestruturar a sua dívida pública?

     

    Acabou o Frente-a-Frente: os leitores do Negócios dividiram-se pela metade: entre os 1143 votos, 50,5% foram favoráveis à reestruturação defendida por Ricardo Cabral, e 49,5% opuseram-se a tal solução, alinhando com Pedro Rodrigues.
     

    Só no massa monetária, os argumentos foram consultados mais de duas mil vezes, e entre blogue e edição online os leitores ofereceram quase cinco dezenas de comentários. O Massa Monetária agradece aos convidados e a todos os leitores o empenho e os contributos para o debate e a reflexão.

     

    Até breve num outro Frente-a-Frente

 

Caderno de Encargos

O “massa monetária” é um espaço de análise de Economia e políticas públicas. Esta é mais uma porta de relacionamento com os nossos leitores, a qual será construída de reflexões e comentários dos jornalistas da casa e da comunidade Negócios. Todos são bem vindos ao debate construtivo.

 

Equipa Permanente

 
Ok
 

Categorias

 

Os Mais Recentes

 

Arquivo

 

Outras Massas

 

RSS