Orelhas de burro e incendiários
02 Abril de 2011 | 01:41
Colocado por: eugenio queiros
 

O futebol português vive, de facto, sob a lei do faroeste. Ou seja, sem lei mas com os representantes da lei a lavarem as suas mãos.

Como aconteceu hoje quando a PSP aceitou a decisão do Benfica de impedir os adeptos do FC Porto de entrarem domingo na Luz com os habituais "kits" de apoio ao clube.

Uma decisão tomada, curiosamente, por um clube que não aproveitou a lei para legalizar as suas claques, ao contrário do FC Porto.

Com isto não estou a dizer que não é preciso controlar estes grupos que consomem os nossos impostos com escoltas caríssimas e que se portam mal sobretudo em estações de serviço. Estou apenas a mostrar o meu espanto perante o beneplácito das autoridades a uma atitude completamente autoritária de quem com tudo isto apenas atira achas para a fogueira.

Obviamente, se alguém se queimar, se algum inocente ou algum jornalista for atingido, vão aparecer certamente os arautos do costume a sacudir a água do capote.

É incrível também o ensurdecedor silêncio da Liga perante esta atitude prepotente de um clube que terá as suas razões de queixa em relação a um passado não tão distante quanto isso mas que continua a caminhar impunemente mesmo quando exorta os seus adeptos a não irem aos estádios onde o Benfica se assume na condição de visitante.

Se é assim que querem que o nosso futebol evolua, esqueçam.

Como diz um amigo meu brasileiro, não há nada tão ruim que não possa piorar.

 
Tags: , , , , ,
 

Comentários

# tonanha disse em 02-04-2011 às 02h39

onde andava o senhor quando no dragão só nos deixaram entrar aos 43 minutos de jogo? a mim até os sapatos me obrigaram a tirar!!!e ficaram me com um cachecol que me tinha custado 10 euros! atenção que não faço parte de nenhuma claque. não me recordo de o ver escrever sobre isso!!!

# Di Coentroni disse em 02-04-2011 às 02h54

Como sou preguiçoso limitar-me-ei a repetir o que já disse noutro espaço:

Não me apetece enveredar demasiado pela questão dos adereços mas partilharei apenas dois pontos:

1) O argumento portista de que a sua proibição de adereços é legítima e a do SLB não devido à legalidade de umas claques e à ilegalidade de outras é do mais hipócrita, rígido e falacioso que pode haver. Por acaso por estarem legais os Super Dragões deixam de ser uns vândalos ordinários e parasitas que ainda escrevem livros em que se gabam das suas "façanhas"? Para mim a própria expressão "claque legal" é tão absurda e paradoxal como seria a de "carteirismo legal". Se dependesse de mim não havia claques, ponto. Peço desculpa às honrosas excepções mas para mim escumalha que usa o futebol como cobertura para a sordidez dos seus actos, não obrigado.

2) O primeiro comunicado do FCP acusa o Benfica de algo como "criar um clima intimidatório e violento". Ao ler esta passagem, confesso que me ri. Como pode logo este clube acusar quem quer que seja de intimidar? É como o Casanova dizer que outro tipo é mulherengo, o Manuel Serrão chamar gordo a outro gajo qualquer, ou o Blue Eyes dizer "eh pá, aquele fulano é um bocado faccioso"...

# Augusto Campos disse em 02-04-2011 às 03h22

E depois nao gostam que lhes chame a equipa do regime.

Ai eh

Sois e serao sempre os maiores corruptos do futebol portugues

e uma cambada de fascistas sao o que voces sao e sempre serao os representantes da unica que ainda existe instituicao SALAZARISTA.

E nao venham com a conversa do U-tube porque se voces forem ver o U-tube dos anos 50 e 60 apesar de ser a preto e branco mostra bem os representantes do fascismo que voces ainda hoje sao uma cambada de covardes ha moda de Lixoboa.

# tonanha disse em 02-04-2011 às 03h30

calma!!! gosta de atirar pedras ou perdeu alguma coisa?

# DragaoAustralia disse em 02-04-2011 às 05h22

Parabens Eugenio pelo comentario.

Vi-o como uma lufada de ar fresco em relacao ao rebanho de outros comentadores que passam pela Blogosfera Record.

Obviamente a resposta a sua opiniao nao se fez esperar como decerto tambem esperava.

ja noutro Blog comentei esta situacao dos aderecos referentes a outro clube nao serem permitidos entrar num estadio. So ha uma coisa a dizer: E UMA ESTUPIDEZ.

Lamento que uma pessoa, seja ela quem for nao seja permitida de entrar num estadio com um cachecol ( como se passou com o tonanha),

Em relação as claques, nao as vejo como um cancro no futebol, mas também nao as vejo como um elemento essencial. E o problema maior e que um grupo "organizado" de milhares teem uma forca que se tem de controlar. Por isso saiu a lei em 2004. O problema e que misturados com as claques ha umas BESTAS que se comportam como BESTAS. E uma BESTA, numa claque ou fora dela so se sabe comportar dessa forma.

Apenas o Espectaculo perde com isso.

Em termos de Futebol jogado, desde que deixem os jogadores entrar com as camisolas, temos jogo!

# santarem39 disse em 02-04-2011 às 07h30

CLAQUES LEGALIZADAS

No jornal "A Bola", de ontem dia 1 de Abril de 2011 (não é mentira), o comissário da Policia de Segurança Pública responsável pelo acompanhamento das claques ( ou pela comunicação da PSP,não sei ao certo),disse:

ISTO É SÓ UM EXEMPLO

A juventude leonina claque "organizada", enviou para a entidade (que "legaliza" as claques) um registo onde constam 195 elementos!..., segundo este comissário a juventude leonina tem mais ou menos 1200 membros.

O SCP por lei só poderia vender 195 bilhetes (nominais!!!) para o sector da juventude leonina no Alvalade XXI(não é engano).

Como esta estão todas as claques "legalizadas".

Como não lhe taparam a boca disse ainda que nenhum dos lideres consta desse registo(como?!).

Mais no jogo com o Atlético de Madrid foram identificados 20 elementos por desacatos, 15 deles já tinham sido identificados pelo mesmo motivo antes desse encontro, após isso (destes 15) foram identificados por mais 17 vezes ( um 3, outro 2, varios uma vez, não especificou), definitivamente está tudo a brincar.

Estádios do EURO com videovigilância, alguém viu uma imagem?, Alguém foi punido?

Os "outros" são maus, os "nossos" são bonzinhos.

VENDO APARTAMENTOS NA COSTA DA CAPARICA COM VISTA PARA O MAR POR 11.500 EUROS

Contactos: José Socrates, Assembleia da República, São Bento (não esteja preocupado eles entregam-me a correspondência)

# Rui Ribeiro disse em 02-04-2011 às 09h17

Argumentar com a legalização para autorizar faixas, bandeiras ou o que for é um argumento completamente cretino. Quando aplicado no estádio do Ladrão, só tem como objectivo humilhar e enxovalhar os adeptos do Benfica.

What goes around, comes around. Cá se fazem, cá se pagam.

# eagle01 disse em 02-04-2011 às 10h44

O Sr.º Eugénio Queirós uma vez mais escreve com o coração e não com a cabeça. Tem um coração azul e branco que o impede de pensar com racionalidade quando está a fazer opinião e a influenciar (no sentido positivo ou negativo) milhares que o leêm.

O cinico do texto começa com a fotografia, que seria "incendiária" ou simplesmente "ordinária" se fosse com motivos alusivos a Pinto da Costa. O Sr.º Queirós sabe que essa tarja entrou com a tal claque legalizada, ou que se veio a legalizar.

Como sabe que essa claque legalizada rebenta com tudo que é estação de serviço, rouba o que pode no aeroporto do Funchal e quando chega ao aeroporto Sá Carneiro, conseguem "adivinhar" que a PSP está à espera deles e deixam o produto do roubo no avião. Assim ninguém pode ser preso, resta saber como "adivinharam" TODOS que a PSP estava à espera deles.

A questão das claques foi colocada pelo FCP. E o coração do Sr.º Queirós foi o que conseguiu "apanhar". Nem teve tempo para pensar. O Sr.º Queirós não conseguiu perceber, tal como a generalidade dos adeptos do FCP, que o Benfica vai aplicar a SÓCIOS E ADEPTOS do FCP, o mesmo critério que o FCP aplica a SÓCIOS E ADEPTOS do Benfica quando se deslocam ao seu estádio.

O Sr.º Queirós se não quer ser apenas mais um que quer apagar o fogo com gasolina, deve questionar a direcção do FCP por impedir os SÓCIOS E ADEPTOS do Benfica de entrarem no seu estádio SEM ADEREÇOS. Não estamos a falar de claques, estamos a falar de pessoas que espontâneamente decidem ir ver o jogo, com as suas famílias (apesar do perigoso que isso significa naquele local). Deve questionar porque razão para o FCP TODA a gente simpatizante ou sócio do Benfica é EQUIPARADA a claque, para depois poder ser vitima da ilegalidade da referida.

Chega de xico-espertices não acha? Afinal há uma lei no Porto e quando Lisboa aplica a mesma lei, "aqui del rei" que estamos a voltar à Ditadura.

E se não for muito incómodo, partindo do principio que este seu texto foi escrito com boa fé (para além do coração azul e branco), também questiono porque razão o Sr.º Queirós acha normal a bandeira do Benfica ser a única de TODOS os adversários do FCP, que NUNCA é colocada no mastro respectivo quando lá vamos jogar. E porque razão o NOME do Benfica é IGNORADO na apresentação das equipas no seu estádio.

Vai-me dizer que o FCP pode fazer isso porque o Benfica é um clube ilegalizado?

# Porto de Honra disse em 02-04-2011 às 11h04

Não tenho procuração, nem o EQ, autor deste Blogue precisa de quem o defenda. EQ já assumiu por várias vezes que é do Leixões e do Benfica.

Se o FCP o ano passado, agiu mal. O Benfica, como tanto gostam de o enfatizar, sendo um clube diferente, não o deveria imitar e para pior. Doa a quem doer. Foi o próprio LFV quem assumiu que as claques do SLB não são, estao legais. Já as do FCP, foi o Responsável da PSP quem o afirmou que estão LEGAIS.

Ao imporem medidas tão ridiculas e estapafúridas, os Dirigentes do SLB só estão a desafiar a que os adeptos do FCP, amanhã, arranjem maneira de dar a volta por cima. De as contornarem.

Depois queixem-se que o arroz tem formigas.

Quem semeia ventos colhe tempestades. Não será a 1ª vez que conquistamos Lisboa aos mouros. Sois muitos mas valeis pouco. Muito pouco!

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 11h17

Bem observdao caro Sr. Jornalista..

"O futebol português vive, de facto, sob a lei do Farwest. Ou seja, sem lei mas com os representantes da lei a lavarem as suas mãos. Como aconteceu hoje quando a PSP aceitou a decisão do Benfica de impedir os adeptos do FC Porto de entrarem domingo na Luz com os habituais "kits" de apoio ao clube."

Mais palavras para quê?!

É o tal País Lisboa.. em que quem não for benfiquista não é bom chefe de famiglia !!!!!!

E amanhã, vão lá estar, lado a lado.. o Rui Pereira ex-Ministro do MAI e o João Correia ex-Secretário de Estado da Justiça.. sentados à direita do Grande Líder..

LFV Hu Acbar..

Zieg Heil LFV..

Foi assim no tempo da Carolina em que também a proibiram de entrar com bilhete na mão.. para depois a irem comprar para prestar falso testemunho!!

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 11h24

Será possível que continuem a falar das claques?? Quantos testemunhos de "adeptos normais" e NÃO claques precisam vocês??? Noutro dia falamos de claques e da sua "legalidade" mas o santarem39 já abriu a ponta do véu. O jornalista EQ diz inclusive que o benfica pode queixar-se num passado "não muito distante" ,que raios, o sr tem alguma loja de bolas de golf e teme que o negócio vá correr mal? Que isenção e equidistância jornalística é esta quando em comportamentos idênticos criticamos só um lado?? Que faroeste é este de lisboa quando na palermo portuguesa tudo e mais alguma coisa é utilizado para enxovalhar e condicionar? Que pu** de lata virem a terreiro criticar uma medida que até é preventiva e acima de tudo é IGUAL à tomada anteriormente?? O futebol só evolui no estádio do ladrão? A liga falou quando todo o país viu o que se passou no porto?? Tenham juízo!

Eagle01 aplaudo-te de pé! Obrigado por seres benfiquista e permite-me que faça minhas as tuas palavras. Espero ansiosamente que as venham criticar,unicamente por  que não vejo como isso será possível,mas de certeza a racionalidade dos portistas nos surpreenderá.

# Burlesconi disse em 02-04-2011 às 11h31

O silêncio da Liga foi interrompido pelo zurrar dum seboso e badalhoco jornaleiro.Como é possível que alguém aí acima chame a este escarro, jornalista?Vigarista, talvez.O que este pulha precisava,m era com uma dúzia de bolas de golfa enfiadas pelo cagueiro acima e depçopis rematá-lo com uma mocada nos cornos.Filho duma grande puta..

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 11h34

Que puta de lata virem a terreiro criticar uma medida que até é preventiva e acima de tudo é IGUAL à tomada anteriormente??

- Proibir as pessoas de poder entrar com cachecóis e bandeiras é uma medida preventiva?!

- E acima de tudo é IGUAL à tomada anteriormente?! Como é que é IGUAL, se o FCP impediu Claques Não Legalizadas.. e o benfica proibe Claques que estão LEGAIS?! É esse o sentimento de IGUALDADE ?!

E comparar bolas de Golfe com Paralelos da calçada, pedregulhos do tamanho de Ananazes, atirados num simples jogo de Juniores ?! ?! ?!

É preciso ter lata. Lata, não, latão !!!!!!!!

# Burlesconi disse em 02-04-2011 às 11h47

Claques legalizadas?Como é que se podem legalizar organizações constituídas, na sua maioria, por delinquentes e desordeiros?Para responsabilizá-los?Não me façam rir.Já alguém foi chamado à ordem, desde que estão legalizadas?No entanto veja-se as tropelias que, desde então, os "legalizados" já protagonizaram.

# eagle01 disse em 02-04-2011 às 12h39

Não tenho procuração contra o Sr.º Eugénio Queirós, mas sorri ao ler um adepto escrever que é adepto do Leixões e do Benfica. Convenhamos que este é um truque muito habitual entre os adeptos do FCP, para tentarem credibilizar a mensagem. Recordo quando o ex-árbitro João Mesquita do CA Porto era identificado como benfiquista, ele que decidia os lances, como Benquerenças, Xistras e afins, sempre na mesma direcção.

Mas o "sistema" é assim e funciona bem. Até puseram o Paulo Costa, quando árbitro no activo, a pedir bilhetes para ver um jogo internacional do Benfica, para depois virem outros "Eugénios Queirozes" falar do assunto nas páginas dos jornais. Basta dar a noticia. O leitor fica a pensar o "resto". O "resto" é aquela mensagem que se quer fazer passar: será benfiquista o Paulo Costa?

Pois é. Neste "sistema" por razões várias ninguém se quer assumir como portista. Por conveniência. Por estratégia. Uns como o Sr.º Queirós, para continuarem a passar a mensagem do FCP, sob a capa da "dúvida metódica" sobre a simpatia clubistica. Outros, como dirigentes, para continuarem a decidir na Liga conforme os interesses do FCP e Olivedesportos. Neste caso não chamo covardia omitir a simpatia clubistica, mas reputo de inteligente, porque credibiliza a estratégia e tácticas do "sistema".

Voltando ao texto, como pode o Sr.º Queirós criticar o silêncio da Liga, quando não o fez em 7 de Novembro? Como pode o Sr.º Queiróz equiparar as LEGAIS medidas tomadas pelo organizador do jogo Benfica, criticando-o sem pudor ético e intelectual, com as LEGAIS medidas tomadas pelo FCP que no lado da tal claque LEGALIZADA, PERMITIU a entrada de bolas de golfe, uma galinha no minimo, isqueiros, e outros objectos passíveis de arremesso?

Como é que o Sr.º Queirós, o "benfiquista" Queirós, pode acusar (os jornalistas podem fazê-lo e arbitráriamente como se vê) o Benfica de "lançar achas para a fogueira"? Se o Sr.º Eugénio Queirós fosse jogador de futebol e cometesse uma gaffe destas num jogo, tipo um pontapé num adversário, seria EXPULSO. Contudo como profissional de comunicação social, tem o direito à opinião. Por mais ENVIESADA que seja, mas tem.

É assim a democracia. Onde o Benfica de facto tem ficado a perder, porque os PODERES económicos ligados ao futebol, não se limitam à compra e venda de jogadores, árbitros e dirigentes.

Nesta questão, repito a minha pergunta final: é o Benfica um cube ilegal para não ter a bandeira pendurada no mastro respectivo quando vai jogar a casa do FCP? É o Benfica um clube pária para não ver o seu nome mencionado nos altifalantes do estádio do FCP?

Para acreditar que vai dormir com a sua consciência tranquila logo à noite, gostaria de ler algo da sua irrequieta intelectualidade e boa fé,  sobre este assunto. Para não manchar de clubismo doentio, o que hoje aqui escreveu. Uma vez mais.

# Porto de Honra disse em 02-04-2011 às 13h01

Eagle One,

Volte lá a ler sff :

Não tenho procuração, nem o E Q, autor deste Blogue precisa de quem o defenda. E Q já assumiu por várias vezes que é do Leixões e do Benfica.

Se o FCP o ano passado, agiu mal. O Benfica, como tanto gostam de o enfatizar, sendo um clube diferente, não o deveria imitar e para pior.

Doa a quem doer. Foi o próprio LFV quem assumiu que as claques do SLB não são, estao legais. Já as do FCP, foi o Responsável da PSP quem o afirmou que estão LEGAIS.

Ao imporem medidas tão ridiculas e estapafúridas, os Dirigentes do SLB só estão a desafiar a que os adeptos do FCP, amanhã, arranjem maneira de dar a volta por cima, de as contornarem.

Depois queixem-se que o arroz tem formigas.

Quem semeia ventos colhe tempestades. Não será a 1ª vez que conquistamos Lisboa aos mouros. Sois muitos mas valeis pouco. Muito pouco!

Insisto novamente só neste ponto: Se o ano passado o FCP agiu mal.  O Benfica, como tanto gostam de o apregoar, enfatizar,  sendo um clube diferente, não o deveria imitar e para pior. Doa a quem doer. Foi o próprio LFV quem assumiu que as claques do SLB não estao legais. Já as do FCP, foi o Responsável da PSP quem o afirmou que estão LEGAIS.

E se ler bem o texto do E Q, ele está a colocar em causa em 1º lugar, é a própria PSP:

"...  quando a PSP aceitou a decisão do Benfica de impedir os adeptos do FC Porto de entrarem domingo na Luz com os habituais "kits" de apoio ao clube... Estou apenas a mostrar o meu espanto perante o beneplácito das autoridades a uma atitude completamente autoritária de quem com tudo isto apenas atira achas para a fogueira."

E em 2º lugar, a própria LPFP:

"É incrível também o ensurdecedor silêncio da Liga perante esta atitude prepotente de um clube que terá as suas razões de queixa em relação a um passado não tão distante quanto isso mas que continua a caminhar impunemente mesmo quando exorta os seus adeptos a não irem aos estádios onde o Benfica se assume na condição de visitante."

Diga sr Eagle One também que é mentira que LFV não escreveu aos adeptos para não irem ao futebol!

# DragaoAustralia disse em 02-04-2011 às 13h42

Antonio Matos:

No seu post das 21.31, fiquei sem saber se concordava ou nao com o texto do Eugenio Queiroz....

...Voce ja tem idade para ter juizo.

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 13h55

Eagle01 obrigado pela clareza de raciocínio e pelos factos irrefutáveis que aqui apresentas. Só um burro não entende a simplicidade e VERDADE do que esreveste.

"- E acima de tudo é IGUAL à tomada anteriormente?! Como é que é IGUAL, se o FCP impediu Claques Não Legalizadas.. e o benfica proibe Claques que estão LEGAIS?! É esse o sentimento de IGUALDADE ?!" - sr blue eyes a minha vontade era mandá-lo po c******,ora vejamos, que parte de ADEPTOS!!! ADEPTOS!!! é que o senhor não entendeu?? Se ninguém de nenhuma claque aqui se pronunciou será que temos aqui ADEPTOS legais e ilegais?? O que é que custa a entender aqui?? Mais, podendo claramente ser censurável a medida restritiva (como foi a do porto certo???) queria apenas recordar aos mais distraídos que é uma medida LEGAL!!

"E comparar bolas de Golfe com Paralelos da calçada, pedregulhos do tamanho de Ananazes, atirados num simples jogo de Juniores ?! ?! ?!" - já lhe expliquei o caso em questão, mas como insiste em ser parvo vou ser mais parvo ainda e apresentar uma argumentação à la blue eyes, Quem me garante a mim que os adeptos do sporting não se apedrejaram uns aos outros só para tramar o benfica? É giro não é? Tão giro quanto estúpida foi a tua hipótese acerca das pedradas em LFV. Convém só salientar que uma bola de golfe,tal como uma pedra,  pode matar. E se tu achas que bolas de golfe são aceitáveis eu tenho o direito de achar que os portistas não devem entrar com merda nenhuma. É estúpido não é? É um raciocínio igual ao teu.

De lata e latão já vi que percebes.

Penta campeões, quem semeia ventos colhe tempestades? Então e assim sendo, depois do que aconteceu aos ADEPTOS benfiquistas no porto tens aí a tua tempestade. Ás vezes podíamos ficar caladinhos. E é o benfica que manda achas para a fogueira? Que devia dar a outra face e estender a passadeira vermelha depois do tratamento ultrajante que foi alvo no dragão? Caro pentacampeões quem semeia ventos colhe tempestades. Já agora é ilegal pedir aos adeptos para não irem aos estádios? Promove algum tipo de violência?

Finalmente sr.e.queirós, o silêncio só é ensurdecedor de vez em quando? Sabia que há atitudes prepotentes e legais mas também há outras deselegantes e ofensivas como o eagle01 já referiu (tratar o benfica como visitante,não hastear a bandeira do clube ou passar os golos de vitórias do porto sobre o benfica) e não serão estas sim incendiárias e contributivas para uma fogueira onde bombeiros de serviço como o senhor ficam a dormir no serviço. E obviamente depois não se queixem os queimados quando nunca interviram para evitar que o fogo começasse. Com que então o benfica e os seus dirigentes são incendiários e os jornalistas facciosos e parciais contribuem para alguma coisa? Apenas contava que fossem isentos, coisa que o senhor não está a ser pois permita-me que o considere a si um incendiário também. Obrigado por permitir que expressemos as nossas opiniões, tavez ajudem alguém em algo.

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 14h08

Antonio Matos disse em 02-04-2011 às 11h31

O silêncio da Liga foi interrompido pelo zurrar dum seboso e badalhoco jornaleiro. Como é possível que alguém aí acima chame a este escarro, jornalista? Vigarista, talvez. O que este pulha precisava, era com uma dúzia de bolas de golfe enfiadas pelo cagueiro acima e depois rematá-lo com uma mocada nos cornos. Filho duma grande puta..

Soçobram as palavras..

# DragaoAustralia disse em 02-04-2011 às 14h43

Alguns adeptos Vermelhos comecam a perder as estribeiras...

... tenham calma que o Porto ainda nao comecou a celebrar em pleno relvado da Luz.

Isso e so amanha!

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 15h00

Boa tarde a todos,trago aqui uma propagandazita acerca dos inocentes, defensores da verdade e cadastro limpo. Isto sim um verdadeiro contraditório.

"1988-11-20, Agressão a Carlos Pinhão em Aveiro, por elementos dos portistas. Arquivado por falta de provas.

1988-11-20, Agressão a Martins Morin, jornalista da Bola. Entre os agressores, Toni Maluco. O Guarda Abel disse-lhe que, “era melhor do que cair por uma ribanceira”.

1989-03-05, Agressão a Eugénio Queirós no Restelo, por seguranças de Pinto da Costa.

1989-09-24, Agressão a João Freitas, jornalista da Bola. Agredido barbaramente perto dos balneários das Antas. Foi assistido no Hospital de Sto António e identificou Virgío Jesus e um tal Armando entre os agressores. Queixa arquivada porque a testemunha principal, um agente da PSP, Oliveira Pinto, dizer que não se lembrava de nada.

1990-10-04, Manuela Freitas, ameaçada e insultada no hall do hotel por elementos da comitiva portista.

1990-10-24, Agressão a José Saraiva, director do JN, à porta de casa. O JN tinha publicado um notícia envolvendo Pinto da Costa no AVEIROGATE.

1992-09-01, Agressão a António Paulino, jornalista do Expresso.

1993-03-10, Agressão a Paulo Martins, da RPT, em directo. A empresa não permitiu queixa.

1994-12-11. Agressão a Marinho Neves, jornalista da Gazeta dos Desportos. Emboscado à porta de casa dor 2 jagunços. Queixa arquivada por falta de provas, apesar de haver 5 testemunhas que viram a cara dos agressores e que nunca foram ouvidas.

2008-02-20, Agressão a Rui Santos, após sair dos estúdios da SIC. O caso foi abafado quando se percebeu a quem os indivíduos estavam ligados. Após este incidente nunca mais Rui Santos voltou a discutir questões relacionadas com a gestão financeira da SAD do Porto

2008-12-20, Agressão a motorista da Liga por Rui Carvalho, assessor da Imprensa do FCP. No mesmo dia vários jogadores e técnicos do Marítimo são agredidos no túnel de acesso aos balneários

2009-03-07 – Ameaças a João Pedro Silva, por Rui Cerqueira, seu ex-colega, que lhe diz à frente de várias testemunhas, “és um filho da puta, um bardamerdas, és muito pequenino para mim”.

- Tentativa de homicídio a Santos Neves, jornalista da Bola. Desapertaram-lhe as jantes do carro no Porto e ia-se despistando an auto-estrada.

- Agressão a Pedro Figueiredo, jornalista da RTP, depois de um Boavista-Porto. A empresa, mais uma vez, não autorizou a queixa.

- Agressão a João Martins, jornalista de automobilismo, por 2 jagunços à porta de casa, por ter roubado a namorada ao filho de Pinto da Costa, Alexandre Pinto da Costa.

2000-09-20, Agressão a Matt Fish, jogador de basquet, agredido por 9 ou 10 indivíduos nos escritórios das Antas, agressão presenciada por Fernando Gomes (actual presidente da Liga) o qual terá sido um dos agressores consoante testemunho do próprio Fish à CS."

Ui agora é que isto vai ser giro. Peço desculpa ao escriba original de nickname CONTADOR pela usurpação das suas palavras.

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 15h05

Mas ainda há mais...

Já volto com mais historietas dos aclamados dirigentes portistas do último quarto de século. Peço desculpa por ter trazido á ribalta uma má memória ao sr eugénio queirós mas sim também eu sou um incendiário sr queirós.

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 15h12

Isto é hoje é um fartote de notícias pouco elogiosas para o porto,bem esta até já tem algum tempo mas só hoje teve o destaque merecido. Ah malvada comunicação social da capital do império que teima em achincalhar com A VERDADE o nome do futuro campeão em vésperas de atingir tamanho feito.

"Decisão após recurso para o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem

José Manuel Mestre absolvido do crime de difamação a Pinto da Costa

Os Juízos Criminais do Porto anularam esta sexta-feira a condenação do jornalista José Manuel Mestre e da SIC por crime de difamação ao presidente do FC Porto, Pinto da Costa, numa revisão de pena baseada numa sentença do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH).

Foi preciso ir a Bruxelas. No Porto, os bilhetinhos funcionaram. Tiveram que rever a pena."

Podem ser campeões,vão ser campeões mas destas "tatuagens" nenhum de vocês apaga.

Abraço

# ZARAU disse em 02-04-2011 às 15h12

Ó E.Queiroz, um dia destes com jeitinho não consegue entrar num estádio para ver um jogo do seu clube...

No mínimo assustador...

# ZARAU disse em 02-04-2011 às 15h22

Já que andamos numa de copy/paste ....

"O  presidente do Sport Lisboa e Benfica tem no seu currículo uma passagem pelo Tribunal da Boa-Hora em Lisboa, onde foi julgado e condenado por roubo. Na altura e sem o protagonismo de hoje no mundo do futebol, o actual presidente movia-se no mundo obscuro do crime, tendo sido iniciada na PJ uma investigação relativamente ao tráfico de estupefacientes.

Se relativamente ao tráfico de droga não surgiram as evidências necessárias para o acusar e julgar já quanto ao crime de roubo foi efectivamente julgado e condenado pelo Tribunal da Boa-Hora em Julho de 1993 com uma pena de 20 meses de prisão.

No acordão divulgado pelo 3.º Juízo Criminal de Lisboa, o Juiz-Presidente, Afonso Henrique Cabral Ferreira refere com algum humor e ironia à mistura:

«esta história é digna da sétima arte»

E destaca no mesmo acordão:

«o Sr. Luís Filipe Ferreira Vieira foi o único que não se declarou arrependido pelo crime cometido»

No mesmo período surgiu inexplicavelmente um homem morto nas instalações da empresa de Luís Filipe Vieira. Crime para o qual não se encontrou explicação, nem se conseguiu descobrir o responsável pelo sucedido. Um mistério.."

Já pensaram em pedir o registo criminal a quem se candidata a presidente da instituição?

É que ter um cadastrado á frente do clube arauto da "moral e legalidade" é no mínimo hilariante...

Até podem dizer ser o que quiserem mas desta e doutras "tatuagens" não se livram  nem as conseguem apagar!!!!

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 15h27

Um único senão nessa sua história, em momento algum o nome do benfica está associado aí certo? Passar bem então.

"Na era de um A. como Director Executivo da Liga de Clubes - posição que rendeu, pelas leis que deixou muito convenientemente aprovadas, ao clube do próprio uma crucial absolvição (em termos claros: a não descida de divisão) anos mais tarde, no famoso "Apito Dourado" - as coisas faziam-se, de facto, "por outro lado". Desconheço a que outro lado se referia Luís Filipe Vieira numa das escutas que vieram a público, mas conheço bem o outro lado de A. e de toda a estrutura que o sustentava e que ele próprio servia.

A estratégia para o sucesso não passava apenas pelo aliciamento de árbitros - essa era a face mais óbvia, feita, arrisco dizer, à descarada, tais eram as sórdidas situações passadas em certos estabelecimentos em que a noite era de facto muito quente. Mas havia outros agentes e outras fórmulas: não bastando os cheques entregues nas mãos dos árbitros em plenas mesas de "privados" com as meninas presentes (algumas das quais dando-me disso conta anos mais tarde), era também importante levar as meninas a outros universos, mais elitistas e para gente de maior quilate no futebol luso.

Falamos, para que não restem dúvidas, de aliciamento a directores, presidentes e inclusivamente treinadores de equipas adversárias. Tudo com o aval do púdico, civilizado e muito indignado em programas de televisão, o Sr. A., esse mesmo que patrocinou as leis que permitiram ao seu clube manter-se na prova máxima do futebol nacional, mesmo que as provas, e se eram conclusivas!, o fizessem advinhar.

O Sr. A. gozava de um estatuto tal, de um respeito, de uma admiração por parte do dirigismo em Portugal que qualquer conversa, qualquer menina, qualquer insinuação mais ou menos velada, eram tidos como normais e próprios de um futebol em que as coisas eram assim porque eram e não valia a pena discutir princípios. Esse próprio Sr. A anos mais tarde veio dizer, do alto da sua dignidade, que não gostaria de ver ninguém atirar pedras porque no futebol devia haver pouca gente que o possa fazer porque há muitos telhados de vidro - estraordinárias declarações, assumindo nós que o Sr. A assumia a generalização como forma de se absolver das suas próprias pedras.

O que o Sr. A não disse - e não dirá seguramente no futuro - é que ele foi um dos mais importantes tentáculos do polvo, controlando dirigentes, impondo leis na Liga, avançando na diáspora portuguesa pela UEFA, sempre de falinhas mansas e discurso recheado de hipocrisia, passando entre os fios de chuva, tanto que hoje, e há vários anos, vemo-lo sentado em televisões nacionais, debitando alarvidades com um ar de quem não faz mal um rato.

Encontravam-se em hotéis estes rapazolas. O Sr. A, mais na sombra, o Sr. G - que hoje, muito de forma curiosa, é, imaginem as voltas que a vida dá, prospector de futebol no Benfica! - para quem o FCP é uma "religião" e os vários dirigentes dos clubes da primeira divisão da altura. Eram jantares e encontros de circunstância, dizia a versão oficial, era apenas camaradagem e relaxamento. O que as versões oficiais nunca explicaram foi a aparição constante de meninas vindas dos estabelecimentos do Sr. RT para os quartos de dirigentes, treinadores e presidentes de vários clubes que nos dias posteriores iriam jogar contra o clube dos Srs. A., G e RT. Mas certamente faria tudo parte de um maior relaxamento. Uma verdadeira comissão de boas-vindas.

É apreciavelmente didáctico rever jogos antigos, especialmente dessa década de 90, era do famoso penta do Engenheiro. Observar as equipas adversárias, especialmente no Estádio dos Srs. A., G e RT, a forma quase pueril com que jogavam, verdadeiras passadeiras vermelhas para os jogadores do clube desses senhores, é um exercício de memória que devemos agradecer à RTP. É verdadeiro serviço público. Depois, quando apesar de meninas, copos, prémios e jantaradas, a coisa não resultava e os jogadores visitantes mostravam brio profissional, lá aparecia então o resultado dos cheques às classes mais baixas em "privados" e os homens de negro resolviam os pentas. O Engenheiro, benfiquista dos sete costados, agradece."

LEGENDA:

A - guilherme aguiar

G - jorge gomes

RT - reinaldo teles

# ZARAU disse em 02-04-2011 às 15h31

Mias um copy/paste ,

Este é cópia da carta enviada pelos funcionários judiciais que estiveram ligados ao apito dourado  o PGR....

Exmo Sr.

Procurador-Geral da República

Somos um conjunto de funcionários de investigação que serve esta Instituição há muitos anos. Ela, apesar do momento negro que atravessa, ainda nos merece todo o respeito pelo seu passado recheado de excelentes serviços prestados à sociedade.

Decidimos efectuar esta comunicação não só pela razão anteriormente aludida, mas também em respeito pela memória de muitos dos excelentes funcionários que a serviram.

Esta Instituição ao longo dos anos da sua existência tem-se pautado por práticas de investigação, reconhecidas universalmente, tendo por objectivo a descoberta da verdade dos factos.

Assistimos nos últimos anos a algumas tentativas de influenciar investigações, tendo nalgumas delas, devido à sua mediatização, sido públicas tais intenções - recordamos os processos relacionados com a “Moderna” e “Finanças”.

No entanto, nada até agora se assemelhou ao que está a acontecer com o denominado “processo apito dourado”.

A nossa desilusão inicia-se com a análise que efectuámos aos processos ainda sem a intervenção da equipa “milagrosa” e continua com as práticas infames e desprezíveis cometidas por alguns elementos desta equipa.

Deparámo-nos com práticas que pensávamos já estarem arredadas num estado democrático. Todo o trabalho foi efectuado com alvos previamente definidos, tendo sido para tal, cometidas inúmeras ilegalidades e efectuados actos processuais, no mínimo, de validade duvidosa.

Actos iguais cometidos por pessoas diferentes tiveram decisões diferenciadas, o que revela que a equipa do Dr. Carlos Teixeira protegeu nitidamente algumas pessoas.

Analisando quem foi protegido verifica-se que estamos perante a rede de influências das pessoas que prestaram serviços e vassalagem ao S. L. Benfica e ao seu presidente Luís Vieira.

Nada nos move contra o S. L. Benfica, pois alguns até adeptos somos deste clube e, como é óbvio, queremos que o nosso clube vença sempre, mas não a qualquer preço.

Também não pretendemos ser enganados por quem, com discursos incendiados e dirigidos à populaça vai enganando os adeptos mais distraídos, “sacando” dinheiro ao clube.

Também a nossa conduta profissional impõe-nos a obrigação de não deixar passar em claro esta cabala.

Verificámos que o direccionamento da investigação (custa-nos empregar esta palavra, pois de investigação estes processos nada tiveram) não se ficou só pelos autos, pois o Dr. Carlos Teixeira, não conseguindo vencer o seu benfiquismo primário, entregou informação e peças processuais, previamente seleccionadas, a alguns jornalistas da sua cor, nomeadamente aos Srs. António Gomes e Rogério Azevedo.

Havia que injectar a opinião pública.

Mas vamos a alguns factos:

O Sr. Valentim Loureiro sempre que prestou declarações, e quando ouvido nos vários processos sobre a informação, que lhe era fornecida antecipadamente à sua divulgação pública, das nomeações dos árbitros, disse que a mesma lhe era fornecida quer pelo Presidente, quer por um vogal do Conselho de Arbitragem da Liga. Em nenhum processo o Presidente de tal Conselho é arguido. O Vogal é-o em todos.

No processo que se encontra em fase de instrução relativo ao jogo Boavista-Estrela da Amadora analise-se a acusação. É uma peça digna de figurar no Guinness World Records. Inocentam-se condutas criminosas e acusam-se práticas legais, distorcendo-as.

Num jogo da Taça de Portugal S. C. Braga-F. C. Porto o Sr. Pinto de Sousa contactou os dois presidentes, quanto às suas preferências para arbitrar o jogo. O do F. C. Porto referiu que poderia ser qualquer um, menos o árbitro X. O do S. C. Braga referiu que não queria os árbitros Y, Z e W. O presidente do F. C. Porto é arguido no processo o do S. C. Braga não. Mas mais. Analise-se as escutas relacionadas com este jogo e verificar-se-á que no final do jogo o Dr. Mesquita Machado ligou ao ex-árbitro Azevedo Duarte todo indignado por não ter sido nomeado um determinado árbitro. Também não é arguido.

Não obstante o Sr. José Veiga ter sido escutado a solicitar que o árbitro, que dirigiria o encontro que a sua equipa realizaria no fim de semana seguinte, fosse contactado para beneficiar a sua equipa e apesar de ter ganho em casa do adversário por 0-1, o Sr. Magistrado entendeu que a matéria apurada não era suficiente.

Critérios ...

Apesar de lhe ter sido fornecida a informação que a seguir indicamos, relacionada com a época 2004/2005 (ano em que o S. L. Benfica quebrou o longo jejum), o Dr. Carlos Teixeira esqueceu-se de lhe dar o devido tratamento:

- As reuniões secretas entre o Sr. Luís Vieira e o Sr. José Veiga com o presidente e, por vezes, um vogal do Conselho de Arbitragem da Liga em locais (Bares e Restaurantes) devidamente identificados em Lisboa e cujos funcionários estavam disponíveis para testemunhar.

- As reuniões efectuadas num Restaurante em Penafiel, bastante conhecido da gente do futebol, entre o Sr. José Veiga e vários árbitros e árbitros assistentes.

- As reuniões semanais entre o Sr. José Veiga com um vogal do Conselho de Arbitragem da Liga na zona litoral centro do País, perto da residência deste último (por coincidência os estágios do S. L. Benfica, nessa época, eram efectuados no litoral e relativamente próximo do mencionado local). Este vogal, por sua vez, levava as indicações ao Presidente das exigências dos Srs. Vieira e Veiga que indicavam os árbitros não só para os seus jogos, mas também para os dos seus rivais.

- As reuniões entre o Dr. João Rodrigues com o Sr. Pinto de Sousa num Hotel de Lisboa.

- As reuniões entre o mesmo João Rodrigues, no mesmo Hotel, com vários árbitros.

- As fortes ligações do Sr. José Veiga aos Laboratórios Internacionais de Doping.

- A promessa de contratação de um jogador do Guimarães. O Sr. José Veiga prometeu-lhe a contratação, caso não jogasse contra o Benfica. O jogador efectivamente não jogou. O Benfica tentou recuar na promessa, mas o jogador ameaçou que “metia a boca no trombone” e lá tiveram que o contratar.

- A promessa de contratação de um jogador do Estoril antes do “famoso” jogo Estoril-Benfica no Algarve. O Sr. José Veiga jantou com ele num Restaurante da linha do Estoril, tendo-lhe prometido a sua contratação, caso facilitasse a vida ao Benfica. As facilidades aconteceram, mas a contratação não.

- As reuniões efectuadas na semana que antecedeu o atrás citado jogo com vários jogadores do Estoril com o Sr. José Veiga e nalguns casos com o seu primo (o homem forte da segurança. Foi o autor da agressão no Aeroporto de Lisboa, quando o Sr. Luís Vieira foi “raptar” o jogador Moretto ao Brasil). Foram efectuados pagamentos pelo primo do Sr. Veiga, ao que consta, ao guarda-redes do Estoril. Sobre estes factos existiu a disponibilidade em falar dum elemento do Estoril. Aliás o homem propunha-se contar, não só, tudo sobre esta “novela”, mas de muitas outras que tinha conhecimento do Sr. Luís Vieira.

- As escandalosas arbitragens dos Srs. João Ferreira, Hélio Santos, Elmano Santos, Bruno Paixão, entre outros. Mas destas não interessava solicitar análises aos peritos.

- As ligações do presidente do Belenenses aos Srs. Luís Vieira, Cunha leal, Tinoco Faria, Pedro Mourão, Frederico Cebola que influenciaram a decisão no caso “Mateus”. Foram inclusivamente denunciados os pagamentos que foram efectuados a alguns destes senhores por alguns escritórios de advogados.

O Gil Vicente também gostará de saber que não foi prejudicado s6 na época passada, com intervenção do Sr. Luís Vieira. Ele pagou ao “paineleiro” Fernando Seara cerca de 100 mil contos (s/ recibo) para conseguir que o Alverca ficasse na 1.ª Divisão (era satélite do S. L. Benfica), prejudicando o Gil Vicente. Consta que o atrás referido “paineleiro” se juntou (falamos de escritório), há relativamente pouco tempo, ao já citado João Correia.

Existiam nos autos indícios quer em quantidade, quer devido à sua relevância que justificariam, caso o Magistrado fosse isento, que os Srs. Luís Vieira, José Veiga, António Salvador, João Rodrigues, Tinoco Faria, Luís Guilherme, Cunha Leal, António Duarte, Pedra Mourão, Frederico Cebola, Paulo Relógio fossem colocados sob escuta, mas tal não interessava.

Consta que houve interferência do Dr. João Correia junto da estrutura sindical do Ministério Público que, como se verifica, terá surtido, até agora, efeito. Será por ele fazer parte do Consel ho Superior do Ministério Público?

Entretanto nova fase surge no “processo apito dourado”.

Aparece um livro e surge a equipa “milagrosa”.

Vamos à sua constituição.

Comecemos pela Dr.a Maria José Morgado.

O seu marido trabalha há alguns anos para o Sr. Luís Vieira recebendo, sem recibo, elevadas quantias em dinheiro, mau grado não se coibir de criticar tudo e todos, nomeadamente as fugas ao fisco.

Quando a Polícia iniciou, com o comando da Dr.ª Maria José Morgado, o afamado processo das Finanças, recordar-se-á V. Ex.ª que o mesmo se tinha iniciado com uma comunicação que circulava no interior das Finanças denunciando a forma como havia sido vendida a Fábrica de Louças de Sacavém.

A mesma fora adquirida por negociação directa por uma empresa de que o Sr. Luís Vieira era sócio por um preço quase anedótico. Na altura apurou-se que viviam no Condomínio Privado que entretanto ali fora construido pela empresa compradora quatro Directores de Finanças.

O que resultou para o Sr. Luís Vieira? Quanto sabemos, até agora, nada.

Na altura em que o processo decorria, o marido da Dr.ª Morgado escrevia pelo Natal no Expresso um artigo que denominava “Conto de Natal”. Fazia-o “camuflado” tentando atingir alvos concretos.

Recordamos que efectuou um direccionado ao Sr. Vítor Santos - Bibi e, no ano em que o processo atrás referido se encontrava em fase de investigação, um que era direccionado à então Ministra da Justiça que, de forma cobarde, intitulou de “Etelvina”.

Acusava-a de ter subido na vida à custa de práticas de baixa índole. Mais tarde ele e a mulher fizeram correr a notícia de que o processo não tinha tido êxito por interferência da Ministra para proteger um Director de Finanças.

Correlacione V. Ex. a os factos e retire as devidas ilações.

Quanto ao Dr. Carlos Farinha, pensamos que terá sido escolhido para a Dr. a Morgado o “premiar” por ele se ter mostrado solidário e ter pedido a demissão quando ela fez o mesmo.

À nomeação do Sr. Sérgio Bagulho já lá vamos.

Quanto aos outros elementos não queremos tecer grandes comentários, mas sempre diremos que estranhamos a nomeação do titular do processo “Mantorras”, processo que se encontrava em investigação.

Terá sido para o processo ser “exterminado” de vez?

Pensamos que sim, pois deram tempo para que o Sr. Luís Vieira montasse a sua estratégica de defesa.

Sobre este processo já nos debruçaremos mas adiante.

Quanto ao Sr. Bagulho eram conhecidas as suas fortes ligações ao clube S. L. Benfica e ao seu presidente Luís Vieira, com quem era visto frequentemente a jantar em Restaurantes de luxo da baixa lisboeta.

Constava que era o seu novo “Suzano”, ou seja um dos seus homens de mão para efectuar trabalhos sujos, nomeadamente algumas cobranças.

O Luís Vieira conhecia factos que revelados poderiam acabar com a sua carreira e jogava com eles, “obrigando-o” a fazer aquilo que queria.

Era também comum ver-se o Bagulho a “pavonear-se” nos camarotes presidenciais do Estádio da Luz.

Alguém de boa fé nomearia este homem para este processo?

Entretanto, o Dr. Cartas Farinha abandona a equipa, pois tem que ir cumprir uma comissão à Madeira.

Quem é que aparece?

O Sr. Manuel Carvalho.

Nos corredores da Polícia consta que quem o indicou foi o Dr. João Correia, advogado com quem o Sr. Carvalho se reúne com frequência para receber directrizes, quanto ao caminho enviesado a dar ao processo.

Sabemos, e só estamos a constatar um facto, das dificuldades financeiras que o Sr. Carvalho tem passado devido a uma desastrosa incursão no mundo empresarial.

Durante esta fase do processo circulou muito dinheiro com proveniência do Sr. Luís Vieira e com diversos destinos.

A D. Carolina tem sido um dos seus destinos preferidos, tendo o seu último recebimento sido efectuado pelas mãos “sujas” da Sr.ª Leonor Pinhão.

Esta entregou-lhe cinquenta mil euros com a indicação que não os depositasse em Portugal.

A D. Carolina cumpriu e deslocou-se a Tuy, onde efectuou o depósito no Banco Santander.

Outro dos destinos do dinheiro do Sr. Luís foi o pai da D. Carolina que igualmente se deslocou a Espanha para depositar as quantias recebidas.

Já que falámos na Sr.ª Pinhão, ideóloga do livro que originou a reabertura do processo, questionámo-nos de qual a razão da equipa “milagrosa” só ter usado o livro da D. Carolina e não outros escritos de credenciados jornalistas que denunciavam várias ilegalidades cometidas pelo Sr. Luís Vieira?

Será o poder discricionário...

A título exemplificativo referimos o jornalista António Tavares-Teles que quase diariamente denuncia factos relacionados com o Sr. Luís Vieira - vide artigos recentes no jornal “O Jogo” em 8 e 9 de Junho de 2007.

Por que razão não se investigam os artigos dos jornais Público dos dias 29 e 30 de Março de 2007, ambos na pág. 26 e Correio da Manhã de 10 de Maio de 2007-pág. 24?

A escritora do livro (que foi considerado relevantíssimo elemento de prova, tendo originado as reaberturas de inúmeros processos), Fernanda Freitas, disse (citamos): “Estou arrependida por ter pactuado por desconhecimento de causa com falsidades e invenções no texto que escrevi”.

Alguém terá considerado esta afirmação?

Sabemos que existem vários crimes (furtos, fogo posto, tentativas de homicídio), cujos autores materiais já confessaram e imputaram a responsabilidade da autoria moral à D. Carolina.

O que se passa com estas investigações e com a entrevista publicada no Correio da Manhã de 14 de Maio de 2006 em que um indivíduo exibia objectos furtados ao presidente do F. C. Porto e denunciava um plano de extorsão?

Como é possível manter-se em liberdade alguém que cometeu tantos crimes com um grau de perigosidade tão elevado.

Parece-nos, salvo melhor opinião de V. Ex.ª, que o quadro legislativo português não prevê a figura de “arrependido”.

Qual o motivo de tal protecção e que “taxa de juros” seremos obrigados a pagar?

Mas já que falámos em crimes cometidos é altura de abordar a agressão ao Sr. Bexiga.

Uma conceituada jornalista que colaborou com vários jornais de referência ao abordar a D. Carolina sobre a autoria deste crime referiu-lhe:

“Então vocês vão cometer uma agressão num parque de estacionamento? Não vêem que foram filmados pelas câmaras de filmar”.

A D. Carolina retorquiu:

“Eu não brinco em serviço. No dia anterior mandei destruir as câmaras”.

Para V. Ex.ª fazer um juízo sobre a maquinação que foi montada providencie no sentido de verificar se alguma vez aquele parque possuiu câmaras de filmar.

A resposta que obterá será: NUNCA!

A Sr.ª Pinhão nas reuniões que efectuou frequentemente no Restaurante Le Petit e no Hotel Mundial com a D. Carolina esqueceu-se de pormenores importantes.

Como ideóloga também terá sido a Sr.ª que instigou a D. Carolina a cometer os crimes atrás aludidos?

Retratá-los-á na sua “fita”?

Nem todos são ingénuos Sr.ª Pinhão, mas reconhecemos que a Sr.ª tem alguma esperteza.

No entanto, no dia em que Deus distribuiu a inteligência a Sr.ª acordou tarde, como é habitual, e ficou no final da fila. Infelizmente, este é um dom que não se compra em qualquer Centro Comercial.

Num dos furtos a que atrás fazemos referência foram recuperados pela P. S. P. na residência da D. Carolina alguns dos objectos que haviam sido furtados do escritório do seu ex-companheiro, escritório, cuja existência só os dois conheciam.

Entre os objectos não recuperados figuravam vários quadros.

O semanário Sol publicou a entrega dos objectos recuperados ao presidente do F. C. Porto.

Imediatamente o Sr. Luís Vieira, ao ter conhecimento do artigo publicado, liga à D. Carolina dizendo-lhe que já não quer em sua casa o quadro do Cargaleiro.

O referido quadro foi pelas mãos da Sr.ª Pinhão levado para o Porto e entregue à D. Carolina.

Sabemos que o Sr. Luís Vieira aprecia obras de arte, nomeadamente quadros, e gosta de, quando entende oportuno, oferecer peças valiosas a Presidentes de Bancos.

Depois os financiamentos estão mais facilitados, não é Sr. Luís?

O local de aquisição dos mesmos também é igual e cirurgicamente seleccionado, não é Sr. Luís?

Mas para que V. Ex.ª faça um correcto juízo sobre o “pagante” desta farsa referiremos alguns factos do seu passado.

Comecemos pelos pneus.

A Polícia Judiciária possuía um dossiê sobre a actividade de tráfico de estupefacientes do Sr. Luís Vieira.

O dossiê ainda existirá ou os seus “homens” já lhe terão dado sumiço?

O Sr. Vieira demonstrava o seu receio às pessoas que lhe eram mais próximas na candidatura ao S. L. Benfica, pois dizia: “se eu lá chegar, vem logo à ribalta o esquema do pó nos pneus”.

Nesta altura do negócio dos pneus apareceu um homem morto nas instalações da sua empresa.

Talvez o então titular do processo, um colega já aposentado, queira agora contar a história das ameaças que o Sr. Luís Vieira, acompanhado por um grupo de ciganos, efectuou à sua família numa esplanada em St.a Iria da Azóia.

Quando estes factos forem conhecidos talvez alguns responsáveis de transportadoras que efectuavam o transporte dos pneus queiram divulgar o que efectivamente transportavam.

Também, poderá ser que os responsáveis da empresa de Braga que adquiriu esta empresa ao Sr. Luís Vieira divulguem a forma como foram burlados, pois os elementos contabilísticos da empresa foram previamente falsificados.

Em Julho de 1993 foi julgado e condenado no Tribunal da Boa-Hora pela prática de um crime de roubo.

Foi condenado a 20 meses de prisão.

No acórdão do 3.º Juízo Criminal de Lisboa, o Juiz-Presidente, Afonso Henrique Cabral Ferreira, refere com alguma ironia que “esta história é diga da sétima arte” e destaca que “o Sr. Luís Filipe Ferreira Vieira foi o único que não se declarou arrependido pelo crime cometido”.

Afinal a “queda” para a sétima arte já é antiga...

O Homem que lhe deu a mão e a quem ele deve a fortuna que hoje diz ter, era um Director de uma Instituição Financeira, António Pedra Almeida Gomes, que, entretanto, se aposentou e, como já não era útil, foi “descartado”.

Aliás isso é uma das suas práticas, serve-se das pessoas e depois abandona-as.

Enquanto Presidente do Alverca há muitas histórias, mas focaremos a relacionada com a adulteração de resultados nas últimas jornadas num ano em que o Alverca estava em risco de descer de divisão, mas salvou-se “empurrando” para a descida o Beira-Mar.

Estes factos deram origem a um inquérito no Departamento de Aveiro, pois os mesmos foram conhecidos, após aliciamento efectuado ao guarda-redes do Beira-Mar Palatsi.

O Palatsi deu conhecimento ao então presidente Mano Nunes e deslocaram-se ambos ao Departamento da P. J. em Aveiro.

Apesar do inquérito ter sido distribuído ao elemento mais fanático pelo Benfica daquele Departamento o processo deu alguns “passitos”.

Havia no inquérito informação que revelava haver resultados combinados nas últimas quatro jornadas.

O Sr. Luís Vieira telefonou ao guarda-redes Palatsi dizendo-se director do clube que se deslocava a Aveiro na jornada seguinte.

Esse clube era um dos três que lutava por um apuramento para a Taça UEFA. Quão habilidade maliciosa o homem tem...!

O referido jogo terminou empatado, sem aparentes casos.

Todavia, os seus tentáculos tinham que se estender aos jogos onde o Alverca intervinha.

Aí conseguiu, nalguns casos directamente, noutros por intervenção de outras pessoas os seus objectivos.

Recordámos que um dos homens de quem se serviu foi do então presidente do Benfica, Sr. João Azevedo.

Como é seu apanágio, quando já não lhe servia, esquecendo os serviços prestados, descartou-o, conseguindo mal chegou à presidência do Benfica a sua expulsão de sócio.

Um dos jogos comprados foi em Campo Maior.

Existem actualmente alguns atletas, que então jogavam no Alverca, disponíveis para falar.

Nesse jogo o melhor goleador do Campomaiorense ainda na primeira parte simulou uma lesão e abandonou a partida.

Não obstante as facilidades concedidas o Alverca não conseguia marcar.

Já na parte final da partida quando o avançado Mantorras seguia com a bola o defesa que estava à sua frente mergulhou para o chão numa queda digna de um qualquer palhaço numa pista circense.

O Mantorras marcou e o Alverca venceu 0-1.

Outro dos jogos foi na Madeira com o Marítimo.

Aí foi contactado o seu familiar António Simões, então treinador-adjunto.

O resultado para, não dar muito nas vistas. foi um empate.

Não deixou de ser uma surpresa o Alverca ter conseguido empatar no reduto madeirense.

Na última jornada o Alverca recebia o V. Guimarães, candidato à Europa e o Beira-Mar deslocava-se a Vidal Pinheiro, estando o Salgueiros já com uma classificação tranquila.

Houve que atacar nas duas frentes.

Como o V. Guimarães não se vendia, pois pretendia ir à Taça UEFA, havia que comprar o árbitro.

Aí foram contratados com êxito os serviços do ex-árbitro Sr. Pinto Correia.

O Alverca venceu 2-1 (analisem-se as declarações dos responsáveis do V. Guimarães relativas a este jogo), mas não era suficiente.

O Beira-Mar não podia vencer, pois se assim acontecesse seria o Alverca a descer.

O Sr. Pinto Correia recebeu pelos serviços prestados neste encontro um veículo automóvel.

Curioso, também, é o facto deste senhor, depois de abandonar a arbitragem ter iniciado uma actividade, até então para ele, desconhecida, comerciante de pneus - mais uma coincidência.

Vamos ao jogo de Vidal Pinheiro.

Como comprar o Salgueiros para dificultar a vida ao Beira-Mar?

Através do presidente não, pois o Sr. Luís Vieira estava de relações cortadas, devido ao caso “Deco”.

Há uma expressão que o Sr. Luís Vieira profere com frequência: “Se não podemos ir ao General, vamos aos sargentos”.

Se assim o pensou, assim o fez.

Contactou três jogadores, os mais influentes e conseguiu os seus objectivos, pois o Beira-Mar não conseguiu ganhar, apesar da excelente exibição.

O jogo, que pasme-se ninguém estranhou, terminou 4-4.

O pagamento aos três atletas foi efectuado pelo Sr. Manuel Bugarim.

No início da época seguinte, estava o Salgueiros em estágio no Algarve, estes factos chegaram ao conhecimento do seu presidente.

Imediatamente suspendeu os três atletas e rescindiu posteriormente os seus contratos.

Entretanto os dois presidentes conciliaram-se.

Na parte final da época as posições dos dois clubes estavam invertidas, o Alverca em posição já tranquila e o Salgueiros em risco de descer.

O Salgueiros visitava o Alverca e foi combinado que o Alverca facilitaria.

Esta combinação foi conhecida.

No dia do jogo o então Director Desportivo do Alverca, Sr. Couceiro foi avisado telefonicamente que havia conhecimento, por parte de outros clubes, de tal intenção.

Também o titular do processo existente no Departamento de Aveiro foi avisado.

Como seria difícil efectuar a prova à posteriori, o referido investigador decidiu contactar telefonicamente os dois presidentes.

Assim, o jogo decorreu normalmente e o Alverca venceu.

Voltemos aos “passitos” do processo de Aveiro.

O Sr. Luís Vieira já então tinha os seus homens na nossa Instituição.

Foi avisado que as coisas estavam feias, pois haviam acontecido demasiados factos estranhos.

Então, aquela mente matreira decide efectuar uma carta anónima dirigida ao processo onde imputa toda a responsabilidade dos factos ocorridos ao então Presidente da Assembleia-Geral do Alverca, Sr. Eduardo Rodrigues, seu único sócio na empresa que comprara a Fábrica de Louças de Sacavém.

Quando o titular do processo, o tal fanático benfiquista de Aveiro, vem ouvir em declarações o Sr. Eduardo Rodrigues à sua empresa, em Alverca, por coincidência também, estava no gabinete do seu sócio o Sr. Luís Vieira.

Ali se manteve e foi ele que “conduziu” as declarações do seu sócio.

Também o Beira-Mar gostará de saber que não foi só prejudicado na época supra citada, com intervenção do Sr. Luís Vieira. Foi com dinheiro proveniente dele ou do Benfica que o Setúbal se “safou” na última época e o sacrificado foi novamente o Beira-Mar. Vamos aos factos. Recordar-se-ão do episódio do “rapto” do guarda-redes Moretto. Nesse ano o presidente do Setúbal chegou a anunciar que o Benfica é que pagou os ordenados em atraso ao plantei, pois conseguira contratar um jogador que já havia rescindido o contrato com o Setúbal. A História nunca foi realmente conhecida. Talvez o Sr. Rui João Soeiro que entretanto saiu de cena alguma vez fale quanto é que aceitou como dádiva para a sua conta pessoal. Entretanto, os actuais directores (Carlos Costa e Ronald Inácio) do Setúbal sabendo do que se passou contactaram o Sr. Luís Vieira e ameaçaram-no que se não fossem ajudados contariam o que sabiam. Assim, o Sr. Luís Vieira contactou o seu homólogo (e companheiro de negócios) da Naval, entrou com a “massa” e o “caldinho” foi “cozinhado”. Foi um pouco mal confeccionado, pois cheirou a esturrado, mas até agora ninguém notou o cheiro a esturro.

Os negócios entre o Sr. Luís Vieira e o Sr. Aprígio Santos são a pesquisa de terrenos em conta, nem que pertençam a reservas, pois vendem-nos a preço elevado ao fundo do BPN, havendo um conluio com o seu Presidente, Oliveira e Costa.

O lucro obtido é repartido entre os três, e os accionistas do Banco são severamente penalizados.

Ainda no Alverca fez o negócio “Mantorras”, estando nos dois lados da barricada, o que já de si foi muito estranho.

Na altura, com a concordância do Sr. Vítor Santos - Bibi, engendraram um esquema para sacarem um milhão ao Benfica.

A forma como tal se processaria consta do processo numa cópia manuscrita pelo Sr. Luís Vieira.

Como o Sr. Luís Vieira tentou enganar o Sr. Vítor Santos, este cedeu a informação à TVI, conseguindo impedir a concretização da negociata.

Recordamos que na altura o Sr. José Couceiro foi entrevistado nessa estação sobre esta transferência e quando lhe demonstraram que o Sr. Luís Vieira havia celebrado um contrato de cessão de posição contratual com a PGD, em seu nome pessoal, referiu de imediato que isso era um assunto de Polícia.

Tinha razão o Sr. Couceiro, desconhecia era que o Sr. Luís Vieira a controlava.

Como o dinheiro não saiu como havia idealizado, decidiu comprar jogadores à molhada ao Alverca para poder tirar o dinheiro que pretendia do Benfica.

O desnorteamento para sacar a qualquer preço foi de tal ordem que até venderam ao Benfica um jogador, Anderson, cujas direitos desportivos não pertenciam ao Alverca.

Quando o Sr. Luís Vieira percebeu que o Anderson não era do Alverca tentou que lhe devolvessem esse dinheiro, pois pretendia com ele comprar um apartamento para o seu filho em Miami.

Houve nesta altura um desentendimento com o Sr. Bugarim que não concordava, pois havia outras parcelas relacionadas com outros jogadores vendidos que não haviam chegado ao Alverca.

Esses valores saíram do Benfica em numerário, levantados por um ex-candidato à presidência do V. Setúbal e foram utilizados para adquirir pela empresa Turixira, cujo Presidente do Conselho de Administração era o Sr. Luís Vieira, terrenos na zona de Tavira.

Há três empresários que se quisessem falar poderiam esclarecer toda esta tramóia.

Um está disponível para falar, mas quando ouvido pela P. J. não sentiu confiança suficiente para “abrir o livro”, pudera...!

Outro antes de falar foi contratado a bom dinheiro pelo S. L. Benfica para a função: “estar calado”.

O terceiro está fora do País, mas perfeitamente localizado.

Não temos opinião formada sobre o nosso colega titular do processo “Mantorras”, mas sabemos quem o rodeava e recolhia informação privilegiada.

Foi essa informação privilegiada que levou o Sr. Luís Vieira a combinar com o Sr. Joaquim Oliveira a caixa no 24 Horas da sua ida à P. J..

Tal notícia foi previamente combinada entre os dois e o que se passou foi uma autêntica encenação (lá vem outra vez a queda para a sétima arte) do Sr. Luís Vieira.

Entender-se-á esta combinação, que retirou à P. J. a oportunidade de ouvir como arguido o Sr. Luís Vieira, quando se perceber quem está por detrás da empresa em Off Shore “Spinelli”, proprietária do Alverca.

Serão os Srs. Vieira e Oliveira?

A desorientação foi de tal ordem que ao que consta, para se verem livres de um jogador que tinha contrato até 2008, rescindiram-lhe o contrato por mútuo acordo, mas sem ele saber.

Mas o caso “Mantorras” não é virgem.

Os adeptos do S. L. Benfica deveriam saber qual o destino que os Srs. Vieira e Veiga deram aos dois milhões de euros que dizem ter custado o jogador Kikin Fonseca ao Cruz Azul.

O site sportugal divulgou que o jogador veio a custo zero e eles, imediatamente, venderam-no para que se não falasse mais no assunto.

Outro negócio que era importante perceber foi o do jogador Marcel.

Na véspera da sua concretização, a sua anterior equipa foi jogar ao estádio da Luz.

Foram severamente prejudicados, de tal forma que quem prestou declarações à comunicação social foi o seu presidente, agastadíssimo com o que se passara.

Surpresa das surpresas no dia seguinte aparece a negociar o referido jogador.

Voltemos à época 2004/2005 (ano em que o S. L. Benfica quebrou o longo jejum), nomeadamente à sua preparação, na qual o S. L. Benfica em vez de contratar jogadores contratou pessoas para os órgãos sociais da Liga, controlando-a na sua totalidade.

Este assunto é deveras conhecido do público em geral, pois o Sr. Vieira chegou inclusivamente a tecer declarações em que confirmava nitidamente as suas intenções.

Porém, desconhecerá a maioria das pessoas o que foi negociado com o segundo clube com mais influência nesse ano na Liga (Braga).

O Sr. António Duarte (representante do Braga) e n.o 2 do Sr. Cunha Leal tinha que dizer ámen a tudo o que este último quisesse.

Os dois clubes foram durante a época escandalosamente beneficiados, mas no momento da decisão do campeonato, como o Braga ainda era candidato, ainda houve desentendimentos, mas decidiram oferecer o campeonato ao Benfica com a contrapartida do presidente do S. C. Braga construir, por adjudicação directa, o Centro de Estágio do Benfica, através da sua empresa de construção “Britalar”.

Já que falamos do Sr. Salvador era importante investigar as ligações que possui à Bragaparques e ao Sr. Vieira.

O Controlo dos órgãos da Liga não se limitava aos de maior visibilidade, pois o Sr. Vieira introduziu uma série de elementos que ainda hoje lá se encontram, nomeadamente alguns Delegados.

Um desses Delegados, de nome Reinaldo, foi contratado no Algarve através de um colaborador do Sr. Luís Vieira, o sobrinho do Presidente da Câmara de Albufeira.

Neste momento, já estão na Liga como Delegados dois funcionários das empresas do Sr. Reinaldo.

São os tentáculos do polvo a crescer.

Esse senhor Reinaldo foi o Delegado nomeado para o jogo Benfica-Porto da época 2005/2006 e que impediu, ainda sem as fichas de jogo entregues, a ida ao relvado, antes do início do encontro, de alguns elementos do F. C. Porto, nomeadamente um dos seus médicos e o seu presidente.

Coincidência das coincidências, na época transacta, 2006/2007, o mesmo Delegado foi nomeado para o Benfica-Porto.

Mas quem é este Sr. Reinaldo?

É um fervoroso benfiquista e proprietário de várias empresas no Algarve, direccionadas para a venda e aluguer de habitação.

É para as suas habitações que a Liga envia todos os elementos que têm de se deslocar para o Algarve.

Por outro lado, o Sr. Luís Vieira custeia os alojamentos de férias dos árbitros e árbitros assistentes, observadores, delegados e assim por diante que frequentemente passam férias nas instalações do Sr. Reinaldo.

O que receberá em troca o benemérito Sr. Luís Vieira?

Traçado que está o perfil do “pagante” de toda esta farsa era importante perceber o valor das importâncias que despendeu com a D. Carolina para que avançasse com o livro, para se disponibilizar a prestar as declarações que prestou, bem como com os funcionários da nossa Instituição que deram guarida a tal estratagema.

Sabemos que o Sr. Luís Vieira virá, como é óbvio, atendendo aos seus tentáculos, a ter conhecimento desta comunicação.

Não temos disso receio, apesar das ameaças veladas que alguns de nós já recebemos.

Conhecemos perfeitamente os seus homens, que brindes lhes oferece e como estão estrategicamente colocados.

Até ao nível da Direcção, mas isso há-de ser limpo, nem que para isso joguemos sujo, como o Sr. Luís.

O Sr. Luís frequentemente diz-se um exemplar chefe de família e não paga garrafas de champanhe.

É nosso conhecimento que o Sr. gosta de outros tipos de garrafas, nomeadamente frascos de perfume, não é?

E também conhecemos a sua veia caritativa para oferecer vivendas.

Para já fiquemo-nos por aqui, ok Sr. Luís?

Esta comunicação está a ser efectuada num PC da Instituição, mas que não está distribuído a nenhum de nós.

Talvez o seu homem de Vaiado dos Frades quando decidir descobrir em que local o documento foi efectuado tenha uma surpresa.

Recordaremos, por último, ao Sr. Luís Vieira que é do nosso conhecimento que o que conseguiu com a D. Carolina já havia tentado com a anterior esposa do Sr. Pinto da Costa.

Mal a separação aconteceu, convidou-a para passar a passagem de ano no Hotel Montechoro e, em seguida, tentou inúmeras jogadas, mas infelizmente para si a Sr.ª D. Filomena é uma senhora.

Por fim, sugerimos a V. Ex.ª, Sr. Procurador-Geral, que providencie para serem encontradas instalações para a equipa “milagrosa” na Rua António Maria Cardoso, pois os três episódios que a seguir contamos, assemelham-se a práticas ali, em tempos, realizadas.

1. Quando da audição do empresário António Araújo o mesmo foi aliciado na presença do seu advogado a imputar as responsabilidades ao presidente do F. C. Porto, dando-lhe como contrapartida o arquivamento dos seus processos.

2. A Sr.ª D. Filomena, ex-esposa do Sr. Pinto da Costa, foi ouvida por factos relacionados com a venda de um imóvel, num período em que já estava separada do referido Sr..

Estavam em causa os valores da venda, pois havia a suspeita que o valor de escritura não seria o valor real.

Prometeram-lhe o arquivamento dos autos, desde que se disponibilizasse a falar da vida do seu ex-marido.

Apesar de não ter aceite não se coibiram de lhe efectuar algumas perguntas sobre tal senhor.

3. Não obstante os intensos treinos, as audições da D. Carolina não correram sempre bem.

Assim, à cautela o seu treinador colocava-se atrás do colega que procedia à audição para, por gestos, lhe poder dar indicações sobre alguma dúvida que a mesma tivesse.

Entre outras indicações, recordamos a que se passou quando lhe perguntaram quem recebeu à porta da residência do presidente do F. C. Porto o árbitro Augusto Duarte.

A D. Carolina respondeu imediatamente que foi o seu ex-companheiro, mas eis que o seu treinador brandindo a mão em sinal negativo, lhe dá indicações em “V” com os dedos indicador e médio, sugerindo-lhe duas pessoas e em seguida apontando para si, sugere-lhe que ela também recebeu o referido árbitro.

Assim declarou a D. Carolina, pois é bem mandada.

Realça-se que a D. Carolina quando este episódio se passou encontrava-se doente, inclusivamente acamada, não tendo sido, como é lógico, quem recebeu o referido Augusto Duarte.

Presumimos que as investigações a efectuar nos processos relacionados com o apito dourado deveriam começar pelos processos arquivados, pois atentas as informações de quem não aceitou os arquivamentos será de prever inúmeras anuências aos objectivos da equipa “milagrosa”.

Para tal deverão ser nomeados magistrados e polícias íntegros e sem máculas, para que se possa apurar todas as manigâncias praticadas.

Acreditamos que V. Ex.ª desconhecia todos os factos aqui denunciados e que providenciará para que seja reposta a verdade, culpabilizando os verdadeiros culpados e inocentando os que não cometeram ilícitos.

No entanto, como “o seguro morreu de velho”, enviaremos cópias desta comunicação a diversas entidades para que os factos aqui denunciados não “caiam novamente no silêncio”.

Assim, serão enviadas cópias para:

.Presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional;

.Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol;

.DIAP - Porto;

.F. C. Porto e

.Produtora Utopia (como as filmagens começaram há dias, ainda poderão “enriquecer” a personagem do Sr. Vieira).

Aproveitamos a oportunidade para solicitar a V. Ex. a que informe a Dr. a Mizé Tung que também fizemos milhares de quilómetros e falámos (sem ter nada para prometer, nomeadamente arquivamentos) com centenas de pessoas.

Os depoimentos recolhidos são puros e verídicos, pois não houve qualquer tipo de manipulações, nem prévios treinos.

Possuímos gravações de imagem e som, bem como documentação que comprova o aqui exposto e estaremos disponíveis para as ceder, desde que vejamos que o sentido a dar a estes casos seja o sentido da verdade e da justiça.

Fá-lo-emos de forma anónima, como agora, pois não queremos colocar as nossas carreiras em risco.

Mas, caso vislumbremos alguma tentativa de manipulação dos factos, temos jornalistas “prontos” para divulgar como foi criada a maior FARSA DA JUSTiÇA PORTUGUESA.

Se à D. Carolina escreveram um livro indicando-lhe o guião, também poderemos indicar o guião a alguém que queira escrever um livro, eventualmente com o título “Tu, Luís...”.

Lisboa, 3 de Julho de 2007

# ZARAU disse em 02-04-2011 às 15h35

A conversa não agrada e é passar bem , pois bem passe o sr bem , uma vez que tudo aquilo que fala foi apresentado a tribunal , julgado e não condenado... temos pena... o resto especulação de calhordas e maus perdedores....

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 15h56

Isto é uma carta de "benfiquistas" (alguns) ao PGR? Deves estar a brincar comigo. Em que tipo de carta endereçada ao PGR se começa a tratar por tu a L.Pinhão ou o LFV?? Isto é uma bela tanga, pena não haver escutas de tudo isto. Vou investigar a veracidade que me parece muito duvidosa dos escritos. Termino utilizando as tuas palvras, tudo isto terá sido apresentado e ninguém foi condenado. Em que ficamos?

# ZARAU disse em 02-04-2011 às 16h34

A resposta é... iguais ... simples , não?

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 17h39

E lá voltamos ao principio das coisas, ab initio, ab ovo.

Quem é que tem a pila maior? Quem nasceu primeiro? O que é pior?

Uma bola de golfe ou um pedregulho da calçada? Quem roubou, corrompeu mais? PdC ou L F Vígaro?!

O que é pior? Pagar jantares a árbitros ou pagar T2 a jogadores e g.r. adversários?!  

O que é pior?  atirar isqueiros ou atirar morteiros?!

Responda quem souber ou quiser..

# Rui Ribeiro disse em 02-04-2011 às 17h41

Então uma carta anónima, de supostos investigadores, e as escutas do YouTube são a mesma coisa, certo?

É uma chatice pegada terem aparecido as escutas, que ninguém pode negar e alguém foi a correr inventar isto. Mas uma coisa é verdadeira, o tipo que inventou esta cena tem jeito para policiais baratos. Acho que para realismo, só faltam aí duas ou três prostitutas brasileiras, tão apreciadas em alguns sectores do futebol nacional...

# Rui Ribeiro disse em 02-04-2011 às 17h50

Aviso a todos os interessados. Eu, o meu vizinho, o canalizador do 3º esquerdo, a D. Miquinhas da mercearia e a boazona do rés do chão direito vamos reunir em assembleia de investigadores e denunciar a podridão que grassa no seio da SAD do FculPorto. Vai ser a forma de confrontar a famosa carta de outros notáveis investigadores, que acusam aquele tipo que é presidente do SLB.

P.S.: Só espero que a boazona do rés do chão direito apareça com o decoto e a mini saia do costume. Fica a perder a história, mas a minha tarde vai ser menos mal passada...

P.S.2: Zarau, o Pai Natal é um tipo que se veste de vermelho, tem barbas brancas e tem fama de ser muito boa pessoa. Pelo Natal traz muitos presentes aos que se portam bem. O menino, se se portar bem, vai ter muitos presentes. As suas histórias são quase tão boas como as da Carochinha. Muito bem, menino Zarau.  

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 18h06

O problema Rui Ribeiro, é que não foi o Zarau quem inventou esse Dossier que foi entregue no DCIAP.

O Zarau apenas se limitou a fazer copy past.

O Dossier existe mesmo.

A Mizé Morgado era mesmo esposa do falecido guarda-livros do LFV.

O Inspector Sérgio Bagulho existe mesmo e agora, até deixou a PJ e foi trabalhar para uma empresa de Segurança Privada.

O Advogado João Correia existe mesmo, foi o Advogado de defesa do benfica no TAS e como prémio foi nomeado Secretário de Estado da Justiça.

O Rui Pereira existe mesmo, era (é) Ministro da Administração Interna.  

O outro Rui Pereira existe mesmo, é Chefe da seguraça do Estádio da Luz. Pergunta ao trtatador da águia Vitória que ele diz-te quem é.

O Cunha Leal existe mesmo, era Secretário Executivo da LPFP..

O Carrajola Abreu existe mesmo, mora ali para os lados do Montijo. O Zé Veiga era mesmo dono do Estoril-Praia quando foram jogar ao Estádio Algarve.

São pessoas de carne e osso, que existem na realidade. Não é ficção. Nem é invenção.

E quanto ás 'escutas' vai lá ouvi-las todas ao You Tube e diz-me que é que elas dizem que seja grave, criminoso?!

Diz-me que é que as 'escutas' de PC têm de diferente das de LFV?! Ou será que sois tão ignorantes que até esqueceis que LFV também tem 'escutas' ?!

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 18h23

Caro zarau dizes que essa "carta" foi escrita por investigadores da pj? Essa é a primeira mentira. Mas dá-me mais um tempo e eu já desmonto essa tua história.

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 18h24

Prémio Estupidez :

"E quanto ás 'escutas' vai lá ouvi-las todas ao You Tube e diz-me que é que elas dizem que seja grave, criminoso?!

Diz-me que é que as 'escutas' de PC têm de diferente das de LFV?! Ou será que sois tão ignorantes que até esqueceis que LFV também tem 'escutas' ?!"

nota: está tudo dito

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 18h35

Pois.

Quando faltam, escasseiam, mingam, soçobram os argumentos.. parte-se para o desdém, para o insulto.

:-)

Tipico de quem se acha superior aos outros.

Pronto. Está bem. Vou então fazer igual.

Oh palerma, imbecil.. diz lá então qual a diferença, entre as 'escutas' de PdC e as de LFV?!

Não sabes?!

Eu respondo por ti..

Pergunta à Procuradora Adjunta Especial de Elite, Maria José Morgado e à Procuradora Adjunta Cândida Almeida.. porque se avarariaram os Gravadores na zona da Grande Lisboa  :-)

Pergunta à Tânia Larranjo e ao Eduardo Dâmaso do Correio da Manhã porque pagaram à Carolina Salgado?!

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 18h52

Qual a diferença entre as escutas de PC e LFV?

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 19h11

:-)

É que a PC fizeram-nas e a LFV não as fizeram !!!!!!!

E porque não as fizeram?!

Tens de perguntar à esposa do falecido guarda-livros, contabilista do LFV.

Pergunta-lhe assim:

Oh Exma Senhora Procuradora Adjunta Especial de Elite,

Os mais respeitosos cumprimentos.

Sabe Vossa Senhoria explicar, justificar porque é que não fizeram escutas a LFV durante 3 anos, dia e noite, e só fizeram a PC?! Porquê?! Seria só porque os Gravadores estavam avariados. Ou por falta de meios humanos?!

Ah.. as ordens superiores eram só para escutar, investigar o PC !!!

Ah.. finalmente percebi. Não estava a entender. Compreendi que em Lisboa não usavam telemóveis.. logo não era preciso fazer escutas  :-)

Está certo !!!!!

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 19h38

É oficial, tu és parvo.

A diferença entre as escutas é que não as fizeram??

Fico-me por aqui.

Sabes,na verdade eu queria saber a diferença entre o conteúdo das ditas escutas,pensei que isso era perceptível até para ti. Só mais uma coisa, ao meu primo quim da maia também não lhe fizeram escutas,nem ao paulo do supermercado,porque terá sido? Os gravadores deviam estar avariados.

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 19h49

Exactamente..  eu sou parvo e ao teu primo Quim também não lhe fizeram escutas. Logo não pode haver escutas !!

Tás a ver como percebeste ode eu queria chegar.

É que se mandassem fazer, durante 3 anos, dia e noite escutas ao teu primo quim, lógicamente haveria escutas dele !!

A pergunta que podes fazer.. é: Mas o meu primo Quim não é Presidente do S L Benfica.

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 19h53

Sabes a diferença que seria perceptivel para ti?!

Seria eu dizer-te antecipadamente assim.

GB, avisa o teu primo Quim e o Paulo do Supermercao que se vão fazer escutas. Eles que não usem o telemóvel.

Agora imagina a Mizé Morgado, encarregue da Investigação, deitada na cama ao lado do marido, que era guarda-livros do LFV.

É claro que ela não lhe contava nada do que andava a fazer. É claro que ele, que era guarda-livros do LFV não lhe iria dizer nada..

É claro. E eu é que sou parvo :-)

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 19h59

E só para finalizar..

Conta, contabiliza agora os inúmeros insultos que me debitastes, só hoje..

Acrescenta-lhes esta pérola:

# AntonioMatos disse em 02-04-2011 às 11h31

O silêncio da Liga foi interrompido pelo zurrar dum seboso e badalhoco jornaleiro.Como é possível que alguém aí acima chame a este escarro, jornalista? Vigarista, talvez.O que este pulha precisava, era com uma dúzia de bolas de golfe enfiadas pelo cagueiro acima e depois rematá-lo com uma mocada nos cornos. Filho duma grande puta..

É esta a diferença..

NUNCA viste um portista aqui, em nenhum Blogue partir assim para a imbecilidade congénita..

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 20h02

É oficial,tu és burro.

Sr blue fizeram escutas a quem apresentava altos indícios de corrupção activa e só assim um JUÍZ AUTORIZOU que se escutassem determinadas pessoas. Porque não foi o meu primo quim e já agora LFV e o paulo do supermercado? Porque infelizmente não havia indícios de corrupção.

É difícil de perceber?

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 20h05

Tens a certeza? O sr antónio matos usou o vernáculo, tu usas a estupidez. Qual será mais grave? E sim,vejo todos os dias portistas partirem para imbecilidade congénita.

# Blue Eyes disse em 02-04-2011 às 21h27

"fizeram escutas a quem apresentava altos indícios de corrupção activa e só assim um JUÍZ AUTORIZOU."

E QUEM é que foi ao JUIZ com o pedido, para este autorizar?!

Quem é que DECIDIU que uns apresentavam 'altos indicios de corrupção'?!

Queres mais 'altos indicios de corrupção' do que o que sr LFV fez no Alverca?!

Sabes que até o actual Presidente da CA, o Vitor Correia ia lá aos pneus?! Agora imagina os outros árbitros..

Sabes quanto o SLB pagou ao Alverca pelo Mancotorras?!

Um jogador que na altura fora avaliadfo em 18 Milhões. Sabes?!

Sim, foram 5 milhões.. pagos em 5 prestações de 1 milhão. O dinheiro saiu mesmo da Contabilidade do benfica.  Sabes quanto recebeu o Alverca, o clube vendedor?!

Zero

Nikles

Nada

Niente

Rien

Nothing

0

P.S. - Acho que já chega de insultos.. ou então vais ficar a falar sózinho como o Tonanha e o Pedruchinho.

# GB-Benfica disse em 02-04-2011 às 21h48

Quem decidiu que apresentavam altos indícios de corrupção? Penso que as escutas falam por mim e respondem a essa tua dúvida. Podes deixar de falar para mim,não se aprende nada contigo. Gostava era que deixasses de viver na la la land,abrisses os olhos e ouvidos e terminasses com a verborreia,já não há pachorra.

# DragaoAustralia disse em 02-04-2011 às 22h37

Zarau e Blue Eyes:

Nao percam tempo que nao vale a pena.

Boa Sorte para o jogo amanha:)

# GB-Benfica disse em 03-04-2011 às 13h57

"Em Lisboa, capital de Portugal, é possível uma equipa de futebol chegar, dormir no Hotel de um ex-Presidente do seu grande rival, passear no principal parque da cidade e seguir para o Estádio, sem que nada aconteça aos seus jogadores.

É bom que se anuncie que nós somos um povo civilizado. Sucede que quem não o é e é incapaz de conviver com a Lei e com o Direito deve, a bem da Democracia, ser punido e afastado da sociedade, cumprindo no cárcere pelos crimes que comete."

Esta é a grande diferença entre o mundo civilizado e o outro.

Um grande abraço a todos os benfiquistas, um grande jogo para mais logo e que o nosso benfica ganhe com justiça e fair-play, sempre!!

E é por isso que apelo a todos os que vão ao Estádio: eles querem e pedem pedras; nós damos-lhes rosas... nada melhor que rosas...

# cláudio86 disse em 03-04-2011 às 14h36

E se forem Cravos?

Têm mais a ver connosco... e são vermelhos!!!  =)

Saudações a Todos!

# Blue Eyes disse em 03-04-2011 às 14h40

"A casa do FC Porto de Sintra, com sede no Cacém, sofreu esta madrugada uma tentativa de assalto.

Segundo fonte policial um grupo indefinido de pessoas tentou assaltar as instalações, mas como não conseguiram arrombar o portão, os indivíduos limitaram-se a arremessar pedras e garrafas durante um período prolongado.

O portão foi ainda atingido por um «very light».

Deste tumulto resultaram cinco vidros partidos da Casa do FC Porto de Sintra.

# Blue Eyes disse em 03-04-2011 às 14h43

Wrong Claudio :-)

A flor identificativa dos murmelhos são as papoilas. Até o hino do clube as referencia.. e das papoilas nasce o pó branco que era vendido na sede dos NN por baixo das bancadas. 38 foram arguidos, desses, 14 estão mesmo presos em prisão efectiva.

# Blue Eyes disse em 03-04-2011 às 14h47

Tudo isto é só para dar 'resposta' aos que se dizem civilizados, diferentes, melhores, superiores..

E, nos últimos tempos o que vimos, no 'Estádio', não foram rosas, não..

Foram cachaços, lambadas, bofetadas, socos, patadas..  

Se até numa Assembelia Geral do próprio clube quiseram agredir o próprio Presidente, o tal que foi o 1º a dizer que as claques ESTÃO ilegais!!

# cláudio86 disse em 03-04-2011 às 15h17

Wrong Blue Eyes!  =p

Nós, Portugueses... Ainda por cima entrámos agora no mês da Revolução...  =)

Sem mais nada a acrescentar...

Saudações a Todos!

# Blue Eyes disse em 03-04-2011 às 15h55

A flor identificativa dos murmelhos são as papoilas. Até o próprio hino do clube as referencia, faz alusão.. e das papoilas nasce o pó branco que era (é) vendido na sede dos NN por baixo das bancadas da Katedral da Cerveja Sagres, a mesma que patrociona a Liga e dá (de mão beijada) 40 milhões ao Benfica.. 38 desses NN foram arguidos, 14 estão mesmo presos em prisão efectiva.

Tudo isto é só para dar 'resposta' aos que se dizem civilizados, diferentes, melhores, superiores.. E, nos últimos tempos o que vimos, no 'Estádio', não foram rosas, não. Foram cachaços, lambadas, bofetadas, socos, murros, patadas..  

São tão civilizados que até numa Assembleia Geral do clube quiseram agredir o próprio Presidente, o tal que foi o 1º a dizer que as claques são, ESTÃO ilegais. Rosas, não. Papoilas ressequidas!!

# GB-Benfica disse em 03-04-2011 às 16h43

"O hipócrita que representa sempre o mesmo papel deixa enfim de ser hipócrita"

"Não se odeia quando pouco se preza, odeia-se só o que está à nossa altura ou é superior a nós"

"Quem não estiver familiarizado com o sublime sente o sublime como inquietante e falso"

# Blue Eyes disse em 03-04-2011 às 18h01

Telheiras a ferro e fogo

Vários carros particulares de adeptos do FC Porto foram já apedrejados na chegada a Lisboa.

Conforme se pode ver no Pólo Tecnológico de Lisboa, em Telheiras, os veículos foram atingidos por pedras, bolas de golfe e um deles foi mesmo danificado com um pontapé quando se encontrava parado num semáforo.

O ambiente está muito tenso, a própria polícia está a ser desafiada por alguns moradores do Bairro da Horta Nova, na zona limítrofe de Telheiras.

17:37 - 03-04-2011

É o que acontece ir jogar a ao 'mundo civilizado'..

Os comentários estão reservados para Utilizadores Registados.




PUBLICIDADE

Pesquisa

Sobre este Blog

BnA é um clássico da blogosfera universal. Começou com um vasto plantel que o autor conseguiu eliminar cirurgicamente até ficar a solo. Esta transferência para a plataforma de blogues do Record não é mais que a satisfação do desejo de estar em família e também na ponta da lança que é o Record Online.

Autor

» Bola na Área
 Eugénio Queirós

Fez a recruta nos jornais "O Comércio do Porto" e "Norte Desportivo", no final da melhor década do século XX (70), teve uma ascensão meteórica na "Gazeta dos Desportos", planou no "Correio da Manhã", voltou à casa de partida e fez parte de um dream team (chefiado por Alberto Espinhal) que conseguiu tiragens na ordem dos 200 mil exemplares, teve o privilégio de integrar a equipa desportiva do "Jornal de Notícias", viu sair o n.º0 do "24 Horas", cumpriu o sonho de trabalhar n'"A Bola" graças ao amigo João Freitas e desde 2004 pertence à equipa de "Record". Assinou prosas nas revistas "Mundial" e "Doze", tendo também sido o responsável pela página desportiva do jornal humorístico "Querido Inimigo". É pai de uma sportinguista de 9 anos e nas horas vagas estuda arqueologia.

Arquivo

Outros Blogs Record

» Blog do Magalhães
por António Magalhães

» Campo Novo
por Nuno Farinha

» Lado B
por Bernardo Ribeiro

» Olhos de ver
por Luís Avelãs

» Mercado Aberto
por João Rui Rodrigues

» Futebol e Algo Mais
por Luís Pedro Sousa

» Semanada
por António Varela

» Honores Liga
por Miguel Amaro

» Mafarrusco
por Paulo Renato Soares

» Entrada a pés juntos
por João Seixas

» Cláudia Futsal
por Cláudia Marques

» Paixão Internacional
por Hugo Neves

 
SSO LOGIN